Digite a senha



Digite a senha



O que deseja fazer?



Recuperação de senha



Área do aluno

Estudo brasileiro avalia tratamento hormonal no câncer de próstata

Você está localizado em: Home » Notícias » Estudo brasileiro avalia tratamento hormonal no câncer de próstata



28/07/2020

 

Com estimativa de mais de 65 mil novos casos a cada ano, conforme dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens. Quando diagnosticado em estágio avançado, as opções de tratamento são mais limitadas. Uma das mais efetivas é a castração, que, embora traga bons resultados no controle da doença, impacta na qualidade de vida masculina. O cenário levou um grupo de pesquisadores brasileiros a desenvolver um estudo para avaliar outras alternativas com efeitos colaterais menores.

Realizado em 14 centros, o estudo teve três braços: um grupo recebeu a castração combinada com comprimidos e os outros receberam apenas medicamentos  —  alguns pacientes tomaram dois e outros, apenas um.

—  O pilar do tratamento dos casos avançados é a castração, isto é, diminuir os níveis de testosterona. É uma medida extremamente efetiva em mais de 90% dos pacientes, mas carrega consigo muitos efeitos colaterais. O estudo quis avaliar a possibilidade de tratar pacientes só com agentes hormonais visando melhorar a qualidade de vida sem castração  —  explica  André Fay, coordenador médico do Centro de Oncologia Oncoclínicas- Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Embora os resultados obtidos não sejam uma resposta definitiva, ressalta Fay, o estudo levantou hipóteses importantes no que diz respeito ao tratamento da doença:

—  Não conseguimos provar que o uso da medicação é melhor do que a estratégia usada hoje em dia, mas vimos que é grande a proporção de pacientes que conseguiram reduzir a doença sem diminuir a testosterona. O grande resultado é mostrar que, de fato, existem pacientes que podem ter o câncer controlado sem redução de testosterona. Ele gera a hipótese de que o tratamento pode ser usado em uma população específica.

Por sua relevância, o estudo foi apresentado, em maio, na reunião anual da American Society of Clinical Oncology (Asco), que em 2020 foi realizada online.

— Isso mostra a capacidade dos nossos profissionais e do Grupo Cooperativo Latino-Americano de Pesquisa em Oncologia (LACOG) de liderar pesquisa de ponta e que possa impactar no cuidado médico em todo o mundo — avalia Fay.

Impacto na qualidade de vida 

Conforme o oncologista, a castração, apesar dos resultados mais efetivos, traz muitos impactos à qualidade de vida. Fora as questões socioculturais envolvendo o tema, o tratamento pode acarretar perda de libido, disfunção erétil, aumento de problemas cardiovasculares, perda de massa muscular e tendência ao ganho de peso.

Fonte: GaúchaZH

 

Notícias relacionadas


Newsletter

Preencha seu e-mail e receba as novidades do Instituto Oncofisio em seu e-mail!

© 2010/2020 - Oncofisio: Todos os Direitos Reservados

O conteúdo deste site tem objetivo estritamente informativo. Em hipótese alguma substitui a consulta ou tratamento médico e fisioterapêutico.

Em caso de dúvida, procure seu médico ou fisioterapeuta.

Endereço: Rua Joaquim Távora, 303 - Vila Mariana (CEP: 04015-000) - São Paulo - SP

Telefone: (11) 3255-4727