Digite a senha



Digite a senha



O que deseja fazer?



Recuperação de senha



Área do aluno

Fisioterapia dermatofuncional em oncologia: o que é e quais os benefícios para o paciente

Você está localizado em: Home » Artigos » Fisioterapia dermatofuncional em oncologia: o que é e quais os benefícios para o paciente



A fisioterapia dermatofuncional é, por muitas vezes, associada somente ao pós-operatório de procedimentos estéticos ou reparadores. No entanto, o tratamento também tem atuação no universo oncológico. Nesses casos, a fisioterapia dermatofuncional tem como objetivo reabilitar pacientes, gerando mais conforto e qualidade de vida durante o processo de tratamento.

Confira a seguir os principais detalhes sobre o escopo e campo de atuação dessa especialidade e como ela se relaciona com a oncologia.

 

O que é fisioterapia dermatofuncional?

A fisioterapia dermatofuncional tem como princípio a elaboração de técnicas que visam prevenir e recuperar danos causados no sistema tegumentar ou, como é popularmente conhecida, a pele.

Um paciente que faz acompanhamento com esse profissional tem como queixa quadros como obesidade, gordura localizada, estrias, acne, cicatrizes e celulites. Além disso, em cenários pré e pós-operatórios, o tratamento também é amplamente recomendado.

Os procedimentos oferecidos pela fisioterapia dermatofuncional envolvem, entre outros, execuções de drenagem linfática e massoterapia, além do uso de recursos térmicos, elétricos e mecânicos, como laser, plataforma vibratória e radiofrequência.

Entre todos esses recursos, um dos mais utilizados pelos profissionais são as técnicas de massoterapia. Ela traz uma série de benefícios aos pacientes, além de resultados satisfatórios durante o tratamento. Isso acontece porque a pressão manual tem efeito mecânico na região onde a massagem é aplicada. Entre as principais técnicas manuais utilizadas estão:

  • Drenagem linfática manual: melhora a circulação, reduzindo os inchaços
  • Massagem clássica: ajuda a relaxar e diminuir tensões no corpo
  • Liberação miofascial: atua diretamente na soltura dos músculos
  • Tecido conjuntivo: melhora as ondulações e fibroses teciduais

Embora o tratamento manual seja comum, é fundamental que o fisioterapeuta faça uma avaliação prévia do quadro do paciente de maneira individual. Assim, ele pode indicar o melhor tratamento baseado em suas necessidades. Pode haver casos mais simples, com apenas um procedimento, ou mais complexos, que abrangem mais de uma terapia simultaneamente com uso de outros recursos.

É importante ressaltar ainda que o profissional atua dentro de uma equipe multidisciplinar, geralmente composta por médicos, nutricionistas, enfermeiros e, em alguns casos, outros fisioterapeutas com outras especializações.

Leia também: Impacto do tratamento oncológico na pele

 

Fisioterapia dermatofuncional na oncologia

A fisioterapia dermatofuncional em pacientes oncológicos entra como um tratamento complementar ao já estabelecido pelos médicos. A ideia principal é que os procedimentos ofereçam maior bem-estar aos pacientes. Estudos mostram que, nesses casos, existem diversos benefícios ao fazer o acompanhamento com um profissional da fisioterapia.

Leia também: A importância da fisioterapia oncológica para pacientes com câncer

Ao se submeter a esse tipo de tratamento, os pacientes miram em questões muito maiores que as estéticas. Em vez disso, eles prezam pela qualidade de vida. Por meio dos procedimentos dermatofuncionais é possível tratar algumas patologias que surgem em decorrência do tratamento oncológico, além de auxiliar no processo de cicatrização.

Vale ressaltar que a fisioterapia dermatofuncional é um recurso complementar que pode ser feito tanto no início quanto durante o tratamento oncológico. Ela pode minimizar os efeitos adversos causados pelas medicações, cirurgias e radioterapia.

Em alguns pacientes, por exemplo, a quimioterapia deixa a pele mais sensível, causando algumas reações que, por meio da fisioterapia, podem ser amenizadas pela reabilitação dos tecidos da pele. Durante o tratamento com imunoterapia ou terapia alvo a pele pode sofrer com ressecamento, acne ou espinhas. A fisioterapia dispõe de equipamentos como o laser, o led, a alta frequencia e a eletroterapia para tratar as afecções da pele.

Isso também vale no caso da queda de cabelos. A alopécia pós quimioterapia. Existem hoje tratamento que são realizados logo após o término da quimioterapia para auxiliar o cabelo a crescer mais rápido, são eles: laser capilar, microagulhamento e massagens com princípios ativos específicos.

Cada vez mais as pessoas têm percebido a importância da fisioterapia dermatofuncional em pacientes oncológicos. E os benefícios são diversos, pois vão desde a redução dos efeitos do tratamento até a melhora do bem-estar dessas pessoas. Tudo isso realizado de forma complementar aos procedimentos tradicionais, otimizando ainda mais o resultado final almejado por toda equipe médica.

Crédito da imagem: Cosmetologista foto criado por prostooleh - br.freepik.com

Artigos relacionados


Newsletter

Preencha seu e-mail e receba as novidades do OncoExperts em seu e-mail!

© 2009/2022 - Oncoexperts: Todos os Direitos Reservados

O conteúdo deste site tem objetivo estritamente informativo. Em hipótese alguma substitui a consulta ou tratamento médico e fisioterapêutico.

Em caso de dúvida, procure seu médico ou fisioterapeuta.

Endereço: Rua Afonso Celso, nº 19 - Vila Mariana - CEP: 04119-000 - São Paulo - SP

Telefone: (11) 2659-7001